HomeGiro pelo MundoDicasO que fazer em Mendoza, na Argentina

O que fazer em Mendoza, na Argentina

O que fazer em Mendoza, na Argentina

O trivial na cidade tem bate-perna nas vinícolas, parrilla gourmet e aventura no Aconcágua

Por Tarcila Ferro e Samirah Fakhouri

Vinhedos e Andes. Eis os dois grandes motivos para rumar até Mendoza, cidade aos pés da cordilheira que é responsável por 70% de toda a produção de vinho feita na Argentina. São mais de mil bodegas que funcionam a todo vapor e, de taça em taça, o programa mais cobiçado por lá é fazer um pingapinga pelas vinícolas.

Entre um gole e outro, o turista ainda pode encaixar passeios de bicicleta pelas vinhas, piquenique nas plantações, sobrevoo de balão, almoço nos excelentes restaurantes das bodegas e por aí vai. Confira a seguir um roteiro completo do que fazer, onde comer e se hospedar em Mendoza.

 

O que fazer e onde comer em Mendoza

 

1. Parque General San Martin

 

Parque General San Martín

Parque General San Martín

Antes de começar a peregrinação pelas vinícolas mendocinas, reserve um tempinho para conhecer o parque General San Martín. Com um belo conjunto de portões moldados em ferro e esculturas espalhadas por suas largas alamedas arborizadas, o parque é um respiro verde em meio à paisagem desértica da província. Ginásio de esportes, roseiral e zoológico, com direito a alpacas e lhamas, são parte dos atrativos. O ponto alto da visita é a subida ao Morro da Glória para conferir o monumento em homenagem a San Martín, herói que libertou a Argentina do domínio espanhol.  Chegando ao topo do cerro,  um mirante que dá vista para Mendoza quase inteira, ótimo lugar para tirar fotos, beliscar alguma comidinha e comprar suvenires, alfajores e azeites. 

 

2. Vinícola Família Zuccardi

 

Vinícola Família Zuccardi

Vinícola Família Zuccardi

A tradicional bodega fundada pelo italiano Alberto Zuccardi, em 1950, costuma abrir o roteiro de visitas por estar a apenas 33 quilômetros do centro. Assim como as demais vinícolas, a Zuccardi investiu em uma programação que vai além da degustação de seus principais vinhos e oferece cursos de culinária, piqueniques em meio às plantações, passeios de bicicleta e de carros antigos pelo parreiral e até sobrevoos de balão. No restaurante Casa del Visitante, vale provar o menu degustação com empanadas e o autêntico churrasco argentino harmonizado com os melhores rótulos da casa.

Ruta Provincial 33, Km 7,5, familiazuccardi.com. Valor médio do almoço: AR$ 300.

 

3. Vinícola O. Fournier

 

Vinícola O. Fournier

A região mais frutífera para a produção de vinho em Mendoza fica no Valle de Uco, a 80 quilômetros da cidade. Ali, as vinícolas deixam para trás seu lado rústico e artesanal para ganharem contornos futuristas e arrojados. O. Fournier é um desses exemplos. Passarelas suspensas interligam a sala de degustação aos laboratórios e à cava. O restaurante Urban empolga pelo conceito minimalista e pelo cardápio que mescla culinária argentina, espanhola e mediterrânea. Com cara de museu de arte moderna, a bodega tem programas para o visitante fazer seu próprio vinho e ainda comercializa parte de suas terras para os interessados em ter um vinhedo.

Calle Los Indios s/nº, 5.567,Valle de Uco, ofournier.com

 

4. Restaurante Siete Fuegos

 

Localizado no badalado hotel-butique The Vines Resort & Spa, o Siete Fuegos leva a assinatura do chef argentino Francis Mallmann. O nome é menção à forma como os gaúchos argentinos preparam a carne: com chama aberta e ao ar livre. O cozimento é lento e feito à vista dos visitantes, que saboreiam pratos como o tradicional ojo de bife com batatas, costelas suínas assadas por sete horas, salmão encrustado no sal grosso, além de massas, pescados e saladas que chegam à mesa com apresentação impecável. A vista para a Cordilheira dos Andes tempera ainda mais o cardápio, que muda conforme a estação. É obrigatório reservas.

Ruta Provincial 94, Km 11, Tunuyán, Valle de Uco, vinesresortandspa.com. Gasto médio por pessoa: AR$ 500.

 

5. Vinícola Catena Zapata

 

Vinícola Catena Zapata

Vinícola Catena Zapata

Catena Zapata figura entre as vinícolas que ajudaram a levar o nome de Mendoza para além das fronteiras do país. A bodega fundada pelo italiano Nicolás Catena, no século 19, foi a responsável por iniciar a produção do  Malbec, aclamado como o “vinho dos argentinos”. Em formato de pirâmide, tem um terraço incrível no topo e uma biblioteca de enologia completa. O passeio é uma verdadeira aula de história sobre a produção argentina.

Calle J. Cobos, s/nº, Agrelo, Luján de Cuyo, catenawines.com

 

6. Cervejaria Antares

 

Cervejaria-Antares

A cervejaria artesanal Antares

Os números não deixam mentir: cerca de 70% de todo o vinho produzido na Argentina é originário de Mendoza. Apesar da bebida de Baco ser a estrela unânime do local, sobra espaço para curtir uma cervejinha artesanal. A microcervejaria Antares começou como uma brincadeira de amigos e acabou virando um sucesso. Versões com mel, vinho, uísque, chocolate e até café animam os cervejeiros de plantão. O bar fica na Avenida Aristides Villanueva, que reúne diversos endereços que animam a noite mendocina.

Aristides Villanueva 153, cervezaantares.com

 

7. Parque Provincial do Aconcágua

 

Parque Provincial do Aconcágua

Parque Provincial do Aconcágua (foto: Facebook/reprodução)

Hora de dar um tempo no vinho e cair na estrada rumo ao Monte Aconcágua, majestoso com os seus 6.962 metros de altitude. O caminho é pela Ruta 7, estrada com 370 quilômetros que se prolonga até Santiago, no Chile. O trajeto reserva vulcão, lagos, rios e belas paisagens a cada nova curva. O Parque Provincial do Aconcágua fica na metade do trecho, a 180 quilômetros. Para o turista de passagem, vale fazer uma curta caminhada e tirar muitas fotos, já que a altitude é inclemente e a sensação de falta de ar é constante. Trekking e escalada ficam reservados para quem realmente tem preparo.

Ruta 7, aconcagua.mendoza.gov.ar  

 

8. Ponte Inca

 

Ponte Inca

Ponte Inca

Aproveite a ida ao Aconcágua para conhecer a Ponte Inca, três quilômetros à frente. Com 48 metros de comprimento, suspensa sobre o Rio Caves, chama a atenção por sua cor amarelada, resultado da concentração de enxofre. Os incas costumavam visitar o local em busca das propriedades curativas que as águas termais da região oferecem. Ali funciona um mercadinho de artesanato com peças feitas com o mesmo mineral da ponte.

Ruta 7, 183 quilômetros do centro de Mendoza

 

9. Séptima 

 

Vinícola-Séptima

Vinícola-Séptima

Vinícola com linhas futuristas, a Séptima tem diversos programas de passeio e degustação. O restaurante María fica no terraço e oferece uma vista estonteante para as Cordilheiras dos Andes. Para chegar até lá, é possível comprar o tíquete do Bus Vitivinícola, que funciona no esquema hop-on, hop-off (pode subir e descer em diversos pontos). Ruta Internacional, nº 7, km 6,5, bodegaseptima.com 

 

10- Bodega Tapiz

 

Club-Tapiz

Club Tapiz

O passeio pelo plantio é feito em uma carruagem do século 15. Durante o tour, o condutor explica sobre o solo argiloso e o clima e mostra uma criação de lhamas. A vinícola faz parte da rede Zolo, que detém também o Club Tapiz, um mix de hotel com restaurante, funcionando em um endereço diferente ao da bodega. A hospedaria tem apenas quatro charmosos quartos e uma piscina com vista para o parreiral. Entre as boas pedidas do cardápio, vale apostar no bife ao alho com batatas rústicas e alecrima.  

RP15, Agrelo, Luján de Cuyo, tapiz.com.ar (Bodega Tapiz) 

Molina Pedro, Ruta 60 km 2.5, Maipú, tapiz.com.ar (Club Tapiz) 

 

 


Dica:

Encaixar três vinícolas por dia é viável, mas a visita se torna mais afobada e os horários são sempre pontuais (fazer reservas é fundamental). Quem está mais na pegada slow travel pode investir em duas degustações por dia. Conciliar o passeio com o almoço é uma ótima aposta: a Familia Zuccardi e o The Vines Resort & Spa, por exemplo, têm restaurantes excelentes e a combinação passeio + refeição harmonizada com os vinhos da casa é sempre um sucesso. 


 

 

Explorando o centro 

 

O gostoso de Mendoza é que, apesar de viver do vinho, há também outros atrativos para conhecer na região. A cidade é uma graça, com ótimos hotéis, cassinos, restaurantes e bares animados, principalmente os concentrados ao longo da agitada Avenida Aristides Villanueva, onde a noite mendocina acontece. Ali fica a cervejaria artesanal Antares, com produções inusitadas feitas com mel, vinho, uísque, chocolate e até café para animar os cervejeiros de plantão. 

De dia, o rolê pode começar pela Plaza Independência, a maior e mais importante da cidade com várias atrações ao longo do ano. Depois, vale ir até a Plaza Pedro del Castillolocal em que a cidade foi fundada em 1561. Ao redor foram construídas as primeiras igrejas, casas e comércios 

Para fechar o dia, o jantar fica por conta do restaurante 1884, na Bodega Escorihuela, localizado a 15 minutos de carro do Parque General San MartinTem ambiente descontraído e delícias como polvo ao molho de páprica e filé de costela ao pesto. A sobremesa fica a cargo do crème brûlée com frutas vermelhas (valor por pessoa: 1.200 pesos, cerca de R$ 230).  

 

 

Onde se hospedar em Mendoza

 

IIntercontinental_Mendoza

Hotel InterContinental

Bem localizado ao lado do Mendoza Plaza Shoppingestá o hotel InterContinental, conhecido como um dos mais sofisticados da cidade e próximo de várias vinícolas 

Divididas entre suítes e apartamentos, as acomodações dão vista para a cidade ou para os Andes – vale acordar cedo para ver o dia nascer entre as distantes montanhas.  A área de lazer conta com cassino, piscina coberta, spa academia. O restaurante Olivas serve o café da manhã, com iluminação natural vinda dos janelões de vidro. O Bar La Barrica tem almoços executivos e jantares regados a coquetéis, com cortes tradicionais de carne.  

O grande diferencial do hotel, porém, são os passeios turísticos guiados, com transporte (ônibus ou carro privativo). O city tour que fizemos no primeiro dia deste roteiro custa a partir de 500 pesos. Já o passeio pela cordilheira sai desde 1.500 pesos. Outros tours disponíveis levam ao Atuel Canyon (cânion que fica ao sul de Mendoza e guarda uma das mais procuradas vistas da cidadea partir d$ 1.600) e às Termas Cacheuta (hotel rodeado pela Cordilheira dos Andes, bem equipado de piscinas quentinhas, spa e cassino, a partir d$ 2.200). Para conhecer as vinícolas, há várias saídas ao longo da semana, custando a partir d$ 900. 

The Vines Resort & Spa

The Vines Resort & Spa

Outra opção de hotel é o The Vines Resort & Spa, cujo forte  não é o passeio pelas vinhas, mas sim a hospedagem e o almoço no restaurante Siete Fuegos – um verdadeiro oásis em meio ao deserto mendocino. O cardápio leva a assinatura do chef Francis Mallmann, que escolhe elementos tradicionais da culinária argentina. As carnes são assadas em fornos a lenha, em um processo de sete passos e muitas horas, feito à vista dos clientes. Almoça-se contemplando um visual cercado de montanhas e vinhedos.

Ruta Provincial 94, km 11, Tunuyán, Valle de Uco, vinesresortandspa.com 

Blvd Pérez Cuesta com Av. Acceso Esteintercontinentalmendoza.com. Diárias a partir de US$ 150 

 


Clique aqui e confira outras opções de hospedagem em Mendoza!


 

 

Leia também:

Argentina: devolução do IVA para turistas não residentes

Giro gastronômico pela Argentina

9 destinos para comer e beber bem na Argentina

15 destinos imperdíveis na Argentina 

Tren de la Quebrada irá conectar Argentina, Bolívia e Peru

 

Compartilhar: