HomeGiro pelo MundoDicasO que fazer de graça em Buenos Aires

O que fazer de graça em Buenos Aires

O que fazer de graça em Buenos Aires

City tour, planetário e museus: a capital argentina está cheia de pechinchas turísticas!

Por Redação

1. City Tour

O centro de Buenos Aires é tema da BA Free Tour, que acontece de segunda a sábado de manhã. O Obelisco, a Plaza de Mayo, a Casa Rosada (foto), a Catedral, a Calle Florida e o Teatro Colón são alguns dos destaques do roteiro. Outra opção, à tarde, leva para conhecer os elegantes bairros de Recoleta e Retiro, que justificam a fama de “Paris da América do Sul” atribuída a Buenos Aires.

2. Museo del Biocentenario

Ocupando o prédio da antiga alfândega e do forte de Buenos Aires, atrás da Casa Rosada, o Museo del Biocentenario celebra os 200 anos da independência argentina, consolidada em 1810. Fazem parte do acervo obras de arte, vídeos multimídia e artigos de época que pertenceram a ex-presidentes, como carruagens, móveis e vestimentas. Um dos destaque é o mural Ejercicio Plástico, do artista mexicano David Alfaro Siqueiros.

3. Planetário Galileo Galilei

Os espetáculos são pagos, mas o planetário localizado nos Bosques de Palermo tem diversas exposições gratuitas ao longo do ano, que exploram temas relacionados ao universo e também às ciências em geral e personalidades do meio.

Planetário Galileo Galilei (Foto: shutterstock.com)

Planetário Galileo Galilei (Foto: shutterstock.com)

4. Museo Nacional de Bellas Artes

Ostentando a mais importante coleção de arte argentina do mundo, este museu também é um exímio expositor de arte europeia do século 19. Com 12 mil peças, destacam-se obras de Rodin, El Greco, Rembrandt, Manet, Van Gogh, Gauguin e Degas.

5. Museu Che Guevara

Ok, não é exatamente um museu como conhecemos. A crise econômica argentina fez com que o museu original fechasse suas portas. Então, um dos proprietários coletou alguns itens e levou-os para sua loja de quinquilharias no bairro de Caballito. A visita vale a pena para quem é fã de Che – não tanto pelos pôsteres e fotos, mas sim pela prosa do dono, um verdadeiro conhecedor da história do líder argentino.

Compartilhar: