HomeDestaquesO que fazer em Berlim – dia 2

O que fazer em Berlim – dia 2

O que fazer em Berlim – dia 2

O segundo dia do nosso roteiro em Berlim é essencial para entender toda a história da cidade

Por Cristiane Sinatura

Checkpoint Charlie

Segundo dia em Berlim:

Estação U-Bahn: U Kochstrasse/Checkpoint Charlie

 

Topografia do Terror

Começar o segundo dia por este endereço é essencial para entender toda a história da cidade e da Alemanha em geral: tudo vai fazer mais sentido depois que você tiver um panorama sobre como os fatos se desenrolaram antes, durante e depois do Holocausto.

De acesso gratuito, este centro de documentação ocupa a antiga sede da Gestapo, a polícia secreta nazista. No entorno, junto a partes preservadas do Muro de Berlim, quinze painéis com textos e fotos ao ar livre abordam o período de 1933 a 1945, desde a chegada do nazismo ao poder até o fim da guerra, focando nos crimes cometidos contra os judeus.

Dentro do prédio, a exibição continua com foco nas instituições de segurança nazistas e suas ações em toda a Europa. topographie.de, grátis.

 

Checkpoint Charlie

400 m

Um dos postos de controle para quem transitava entre a Berlim Oriental e a Berlim Ocidental durante a Guerra Fria, a guarita no meio da rua Friedrichstrasse hoje funciona como um marco para turistas, já que ali podem tirar fotos com guardas vestidos a caráter.

Trata-se de uma réplica, pois a cabine original foi levada para o Museu dos Aliados, de entrada gratuita, a 11 quilômetros daqui. Ao lado do Checkpoint, fica o Museu do Muro (Mauermuseum), que conta histórias sobre as tentativas de fuga na época da Berlim dividida, exibindo artefatos originais usados nas empreitadas, como, por exemplo, um balão de ar quente e um submarino.

Apesar de interessante, o acervo é confuso e se divide em salas apertadas. mauermuseum.de, € 14,50

Checkpoint Charlie

Checkpoint Charlie (foto: shutterstock)

 

 


Pensando em ir a Berlim? Garanta seu seguro viagem antes de embarcar! Clique aqui!

Veja por que viajar com seguro é importante


 

 

Bunker de Hitler

1,2 km

Não espere ver nada além de um estacionamento e prédios residenciais, mas é interessante saber que embaixo da terra, naquele mesmo local, Hitler se escondeu e se matou durante a invasão soviética em 1945. O bunker foi destruído logo depois, e hoje uma placa dá mais informações sobre como era a planta do complexo subterrâneo.

 

Memorial aos Judeus Mortos na Europa

280 m
 
Também chamado Memorial do Holocausto, presta homenagem às 6 milhões de vítimas do regime nazista. O monumento ao ar livre é formado por mais de 2.700 blocos de concreto com diferentes alturas, em uma área de 19 mil m2.

Assemelhando-se a um cemitério, a ideia é transmitir a intranquilidade de um sistema supostamente ordenado, mas completamente sem razão humana.

Nos subterrâneos, um centro de informações exibe documentos, fotos e textos sobre os judeus mortos e a extensão do Holocausto pela Europa. stiftung-denkmal.de, grátis

Memorial aos Judeus

Memorial aos Judeus (foto: shutterstock)

 

Portão de Brandemburgo

600 m

O arco do triunfo, reconstruído em 1791 a partir de uma porta de acesso à cidade, virou símbolo da divisão de Berlim durante a Guerra Fria. Ele foi aberto ao trânsito de carros e pessoas em 1989, com a queda do Muro e, então, se transformou no cartão-postal máximo da cidade.

Daqui parte a belíssima avenida Unter den Linden, que norteia o antigo território socialista e é polvilhada por prédios monumentais. Portanto, vale uma observação mais demorada.

Portão de Brandemburgo

Portão de Brandemburgo (foto: shutterstock)

 


Que tal facilitar o seu deslocamento por Berlim? Alugue seu carro aqui! 


 

 

Potsdamer Platz

900 m

Devastada na Segunda Guerra e dividida pelo Muro de Berlim (cujo traçado, inclusive, ainda pode ser visto no chão), esta intersecção de avenidas se tornou símbolo da renovação alemã, rodeada por prédios modernos e áreas gramadas.

Um dos endereços mais populares, aliás, é o Sony Center, complexo de arquitetura futurista que reúne apartamentos, lojas, restaurantes, escritórios, cinemas e uma atração temática de Lego.

Para ver a cidade do alto, suba ao Panoramapunkt, mirante no 24º andar de um prédio aonde se chega a bordo do mais rápido elevador da Europa.

Lá em cima, uma exposição multimídia ao ar livre mostra a transformação da Potsdamer Platz ao longo da história. Panoramapunkt: panoramapunkt.de, € 6

 

Pesquise seu hotel em Berlim



Booking.com

 

Onde comer em Berlim

Nos arredores da Potsdamer Platz, o Amrit (amrit.de) é um restaurante indiano com ambiente agradável, bom atendimento e comida deliciosa, não necessariamente apimentada.  Dentro do Sony Center, a cervejaria Lindenbräu (bier-genuss.berlin) mistura a culinária austríaca, bávara e berlinense. Ou seja, opções de prato não faltam.

Por ali, no hotel The Mandala, o Facil (facil.de) é provavelmente o restaurante com duas estrelas Michelin mais acessível da cidade, com comida moderna e criativa. O restaurante do chef Tim Raue (tim-raue.com), perto do Checkpoint Charlie, também leva duas estrelas por sua gastronomia inventiva – se optar pelo almoço, abre só de sexta e sábado.

 

Noite em Berlim: Prenzlauer Berg

Antigo bairro operário que pertencia à Berlim Oriental, a área chegou a atrair muitos artistas antes da reunificação, por isso rendendo ares boêmios que perduram até hoje, reforçados por uma faceta hipster em lojas independentes e cafés descolados (justificando um passeio durante o dia, também).

A gentrificação, porém, reformou os prédios elegantes, elevou os preços e trouxe muitos estrangeiros e jovens famílias. Há vários bares e restaurantes, especialmente nos arredores das praças Kollwitzplatz e Park am Wasserturm, bem como ao longo das ruas Kastanienalle e Rykestrasse. Por aqui fica, também, o Mauerpark, famoso pelo karaokê no verão. Entretenimento, portanto, não falta.

 

Reichstag

Neste dia, você pode incluir a visita ao prédio (Reichstag) do Parlamento Alemão (Bundestag), que fica perto do Portão de Brandemburgo. Gratuito, o passeio precisa ser agendado previamente pela internet, com horário marcado – por isso, programe seu roteiro de acordo com esse compromisso.

Nossa sugestão é deixar para o fim do dia, aproveitando o pôr do sol, já que um dos pontos altos da visita é a subida à cúpula de vidro que dá toques modernos ao prédio de 1984. No terraço, há um restaurante que abre para almoço e jantar. visite.bundestag.de

Reichstag

Reichstag (foto: shutterstock)

 

Continue seu roteiro em Berlim 

4 dias em Berlim: o que fazer 

Gendarmenmarkt, Catedral de Berlim, DDR Museum, Alexanderplatz e Fernsehturm

Berlin Wall Bike Tour, East Side Gallery e Ponte Oberbaum

Tiergarten, Ku’damm e Palácio Charlottenburg

 

Leia também:

Berlim: 13 coisas para fazer no verão

Frankfurt: o lado cosmopolita da Alemanha

Nuremburg: tradições natalinas e passado nazista no coração da Alemanha

Munique: o que fazer na terra do Oktoberfest

Compartilhar: