fbpx
  • Seu carrinho está vazio.
HomeDestinosBaixa Pombalina: o que fazer no “centro histórico” de Lisboa

Baixa Pombalina: o que fazer no “centro histórico” de Lisboa

Baixa Pombalina: o que fazer no “centro histórico” de Lisboa

A região dentro de Lisboa concentra cartões-postais como o Terreiro do Paço, a Rua Augusta e seu arco e o Elevador de Santa Justa

Por Cristiane Sinatura

Quer ter acesso, em primeira mão, a dicas e curiosidades sobre destinos no Brasil e ao redor do mundo?
Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou Telegram e fique por dentro de tudo!

Entrar no grupo Telegram! Entrar no grupo WhatsApp!

Em 1755, um terremoto seguido de incêndio e tsunami devastou Lisboa, deixando-a quase que completamente em ruínas. O projeto de reconstrução ficou a cargo do Marquês de Pombal, que adotou um traçado regular para as ruas e um padrão estético para os prédios, especialmente na área à beira do Rio Tejo, hoje conhecida como Baixa Pombalina. Esse miolinho, que poderíamos chamar de “centro histórico” se Lisboa não fosse inteira histórica, é um bom ponto de partida para começar a explorar a cidade.

 

Terreiro do Paço

A “sala de visitas” de Lisboa, também conhecida como Praça do Comércio, sempre foi o palco dos acontecimentos locais, mas passou um bom tempo relegada ao abandono. Depois de ganhar um belo tapa, virou epicentro de lazer a partir de 2012: os palacetes históricos ao seu redor se converteram em museus, restaurantes, cafés, sorveterias e bares. Tudo de cara para o Tejo.

 

Vista do arco

Vista do arco, Lisboa (foto: shutterstock)

 

Arco da Rua Augusta

Símbolo do renascimento pós-terremoto, o Arco da Rua Augusta deixou de ser apenas monumento e ganhou um mirante há pouquíssimos anos. Vencida uma estreita escadaria em caracol, chega-se ao topo, onde as vistas de Lisboa deslumbram: tem o Tejo ao redor, o Castelo de São Jorge ao longe e a Catedral da Sé à frente.
R. Augusta, 2, € 2,50

 

Arco

Arco da Rua Augusta, Lisboa (foto: shutterstock)

 

Lisboa Story Centre

Desde as lendárias passagens do grego Ulisses e os primeiros assentamentos romanos até os dias atuais, toda a história de Lisboa é revisitada em um tour audioguiado de 60 minutos, com instalações multimídia e cenografia impecável. O devastador terremoto de 1755 merece capítulo à parte, com um vídeo reproduzindo os terrores daquele 1º de novembro. Saiba mais aqui!
Terreiro do Paço, 78-81, € 7

 

Lisboa Story Centre

Lisboa Story Centre (foto: divulgação)

 

Bolinho de bacalhau

Bolinho de bacalhau (foto: divulgação)

Museu da Cerveja

A história de 6 mil anos da cerveja é contada de forma multimídia, com foco nos países de língua portuguesa, como Angola, Moçambique, Cabo Verde e, claro, Brasil. Depois de aprender sobre a produção, nada melhor que provar o resultado na cervejaria ao lado – que prepara uma releitura do tradicional bolinho de bacalhau (mas com queijo da Serra) em uma máquina vintage. Saiba mais aqui!
Terreiro do Paço, Ala Nascente, 62-65, € 5 (com degustação)

 

 

Museu da Cerveja

Museu da Cerveja (foto: divulgação)

 

Rua Augusta

Disparando a partir do arco, a Rua Augusta é a principal artéria da região da Baixa Pombalina, exclusiva para pedestres ao longo de seus 500 metros. Está cheia de lojinhas de suvenir, cafés com mesinhas ao ar livre e marcas como Zara, Mango e Adidas. Boa para bater perna.

 

Rua Augusta

Rua Augusta, Lisboa (foto: shutterstock)

Elevador de Santa Justa

Ligando as partes baixa e alta da cidade, o elevador de ferro fundido foi inaugurado em 1902 por Raul Mesnier, que teria sido um pupilo de Gustave Eiffel (sim, o da torre). Turistas peregrinam em filas intermináveis para subir nas elegantes cabines de madeira em busca das vistas fotogênicas do mirante. Uma vez lá no alto, comece a explorar o bairro do Chiado.
O bilhete pode ser adquirido a bordo por € 5,15 (válido para duas viagens)

 

Elevador

Elevador de Santa Justa (foto: shutterstock)

 

Onde comer na Baixa Pombalina?

Sobremesa do Can the Can

Sobremesa do Can the Can (foto: divulgação)

No Terreiro do Paço, o inusitado Can the Can serve receitas gourmet à base de conservas tipicamente portuguesas – as latas, aliás, fazem parte até da decoração. Já o sofisticado Populi capricha nos pratos clássicos da mesa nacional: bacalhau? Polvo? Amêijoas? Tem! A fim de alta gastronomia? No Parque Eduardo VII, o chef alemão Joachim Koerper se vale da vista impressionante do seu restaurante Eleven para temperar receitas com ingredientes sazonais.

 

+ ESTIQUE: Av. da Liberdade e além

A via mais sofisticada de Lisboa foi traçada no século 19 à imagem dos bulevares de Paris – daí a semelhança com a Champs-Élysées. Ao longo de pouco mais de um quilômetro, ela corre desde a Praça dos Restauradores, na Baixa Pombalina, até a Praça do Marquês de Pombal, já na área moderna da cidade. É um bom endereço para se hospedar: em seus arredores estão desde hotéis econômicos, como Ibis e Holiday Inn, até redes de luxo, como Tivoli e Sofitel. Também há muitas vitrines grifadas e uma enorme unidade da loja de departamento El Corte Inglés. A avenida abre caminho para o Parque Eduardo VII, o maior do centro de Lisboa, com jardins, food trucks, monumentos, trilhas, lago, estufas e um miradouro. Seguindo a caminhada para além do parque, chega-se aos dois museus da Fundação Calouste Gulbenkian. A Coleção do Fundador reúne 6 mil peças, entre Antigo Egito, Extremo Oriente, artes decorativas francesas e outros temas. Já a Coleção Moderna abrange desde o século 19, com foco em trabalhos portugueses. Saiba mais aqui!
Av. de Berna, 45A, € 14

 

Continue lendo sobre Lisboa:

Lisboa, Portugal: guia do que fazer em cada bairro

O que fazer de graça em Lisboa

Chiado: polo cultural e tradicional de Lisboa

Bairro Alto e Cais do Sodré: as áreas mais boêmias da cidade

Alfama: o bairro mais português de Lisboa

Belém e Alcântara: onde a história de Portugal se concentra

Parque das Nações: o bairro mais moderno de Lisboa, com aquário e teleférico

 

 

 

Não sabe onde se hospedar? Ache aqui!

The Independente
Com suítes para duas pessoas ou quartos compartilhados super charmosos no Bairro Alto, tem programação de eventos, como  filmes, jantares e música ao vivo.

Vila Galé Ópera
Ao pé da ponte 25 de Abril e próximo a Belém, tem 259 quartos confortáveis, padrão executivo, com temática de música.

Mais sugestões de hospedagem por Lisboa

 

Você já pensou em acumular milhas aéreas suficientes para fazer uma viagem internacional por ano? Aguardar seus voos em qualquer lugar do mundo dentro de uma sala VIP? Ter seguros e proteções no dia a dia a nas viagens? Se você quer ser um viajante profissional, não perca esses dois e-books que a Viajar Pelo Mundo, em parceria com o site Falando de Viagem, prepararam. Chega de pagar por aquilo que você tem direito, está na hora de você conhecer todos os benefícios do seu cartão!

Clique aqui e aproveite!