HomeDestinosAmérica do NorteLas Vegas: quarto dia

Las Vegas: quarto dia

Las Vegas: quarto dia

Saiba mais sobre compras em outlets, Downtown Las Vegas, Fremont Street, Museu da Máfia e sobrevoo no Grand Canyon

Por Cristiane Sinatura

Manhã em Las Vegas – Grand Canyon e Premium Outlets

Está longe de ser barato, mas se você gosta de incluir pelo menos uma experiência inesquecível nas suas viagens, esta é provavelmente a que mais vale a pena em Las Vegas: o sobrevoo de helicóptero pelo Grand Canyon. Existem vários tipos de roteiros, que podem ser combinados a passeio de barco, quadriciclo, degustação de vinhos, caminhada em passarela de vidro acima do penhasco (a Skywalk)… Entre as opções da empresa Sundance (a partir de US$ 350 por pessoa), a que inclui piquenique às margens do cânion é na medida, com duração total de três horas. Já começa em grande estilo com o transfer que busca os passageiros em seus respectivos hotéis: de limusine, é claro! Decolando do aeroporto de Las Vegas, são 45 minutos sobre-voando a impressionante represa Hoover, as montanhas do Deserto de Mojave e as águas azuis do enorme Lago Mead até chegar a ele, o Grand Canyon – mais precisamente, uma área de proteção indígena vizinha ao parque nacional. As vistas são arrebatadoras e ganham ângulos diferentes quando o helicóptero pousa às margens do cânion, revelando o Rio Colorado protegido pelos paredões lá embaixo. A parada dura meia hora e inclui brinde com espumante + cesta de comidinhas. Na volta, o sobrevoo pela Strip revela detalhes dos hotéis – dá até para ver golfinhos nadando na piscina do Mirage!

 

Grand Canyon – Las Vegas (fonte: shutterstock)

 

Mas se você preferir gastar seus dólares com compras, tudo bem, temos uma alternativa! Comprar em Las Vegas não é assim tão barato quanto em Orlando ou mesmo Nova York – o imposto cobrado sobre as vendas aqui é de 8,25% do valor do produto. Mas a cidade pode satisfazer suas necessidades com duas unidades dos Premium Outlets, cada uma em uma ponta da Strip e com um catálogo parecido de lojas. A céu aberto, o North tem cerca de 175 marcas com descontos de até 65% – Adidas, Calvin Klein, Carter’s, Gap, Vans, Saks e Guess são algumas de-las. Já o South é um shopping fechado e climatizado, ideal para dias de muito calor. Ali há cerca de 150 lojas como Michael Kors, Coach, Kate Spade, Loft, entre outras. Para ambos, o cadastro gratuito no site que também dá acesso a mais descontos. Almoce na praça de alimentação que os dois outlets oferecem ou deixe para comer na próxima parada.

 

Premium Outlets – Las Vegas (fonte: shutterstock)

 

Tarde em Las Vegas – CityCenter, Hotel Aria e a História dos Cassinos

O endereço do almoço é o complexo CityCenter, que reúne hotéis, restaurantes, cassinos, lojas e apartamentos residenciais, onde aquela exuberância extra-vagante de Las Vegas sai de cena para dar lugar a um combo de arquitetura e decoração mais sofisticado, repleto de instalações e obras de arte. Um trem gratuito dá conta de interligar o complexo, vindo desde o hotel Park MGM (antigo Monte Carlo) até o Bellagio. Um dos carros-chefes é o hotel Aria, conhecido pela badalada casa noturna Jewel. Entre seus restaurantes, a brasserie Bardot é onde o chef Michael Mina revela clássicos franceses com toques inventivos. Até o americaníssimo costume do brunch aos domingos fica mais requintado com sopa de cebola gratinada e moules frites. No menu fechado de almoço, especialidades como escargots folheados e steak tartar estão entre as opções de entrada.

 

Hotel Aria – Las Vegas (fonte: shutterstock)

 

Depois, vale dar uma circulada pelo ultraluxuoso The Shop at Crystals, provavelmente mais para ver a arquitetura do que necessariamente comprar em lojas como Louis Vuitton, Gucci, Prada, Versace… Outros hotéis do CityCenter são o Vdara e o Waldorf-Astoria (antigo Mandarin Oriental) – o SkyBar no 23º andar desse último garante vistas incríveis da Strip, caso queira retornar à noite para um drinque. Ou então tomar um chá da tarde no Tea Lounge, no mesmo piso.

Em seguida, vamos conhecer onde tudo começou, indo um pouco além da Strip. Mais afastada, a região de Downtown Las Vegas abrigou os primeiros cassinos da cidade, e parte dessa história é contada no MOB (US$ 26,95), ou Museu da Máfia, que revela uma instigante coleção de objetos e fotos dos maiores personagens do crime organizado dos Estados Unidos, traçando um panorama da história de Las Vegas em si. A novidade é o bar tipo speakeasy The Underground e a destilaria localizados no subterrâneo, ambos inspirados nos negócios ilícitos da Lei Seca dos anos 1920 e 1930. Quem quiser mergulhar no mundo do crime e da polícia agora conta com duas experiências interativas no museu. A Use of Force permite que o visitante passe por um minitreinamento policial, aprendendo sobre o manejo de armas e vivenciando situações em que deverá decidir se o disparo é necessário ou não. Já a Crime Lab tem estações de trabalho que simulam a investigação de crimes com base em análises forenses, como impressões digitais, balística e exames médicos. O ingresso com as duas experiências custa US$ 44,95. Outro lugar curioso nas redondezas é o Neon Museum (a partir de US$ 20), que conta a história de Las Vegas por meio de seus famosos letreiros luminosos, expondo peças originais.

 

MOB (Museu da Máfia) – Las Vegas (fonte: shutterstock)

 

Noite em Las Vegas – Fremont Street

 

Depois que escurece, a Fremont Street vira um burburinho. Antes da Strip, ela era a via principal de Las Vegas e foi onde pintaram os primeiros cassinos trabalhados no néon – eles seguem firmes por ali, numa pegada mais old school. A Fremont passou um tempo em baixa até 1994, quando um ambicioso projeto reergueu a área, incluindo uma cobertura de aço que se prolonga por cinco quarteirões onde toda noite acontecem projeções de luzes de LED. Shows ao vivo, atração 4-D da série The Walking Dead (US$ 24) e a tirolesa SlotZilla (a partir de US$ 20) completam a experiência na rua. Para jantar, os quarteirões seguintes, já em Fremont East, guardam lugares mais tranquilos e agradáveis, como o Container Park e o charmosinho Park on Fremont.

 

* Preços consultados em outubro de 2018

 

Fremont Street – Las Vegas (fonte: shutterstock)

 

Leia Mais:

 

Las Vegas: o que fazer em quatro dias

 

Dia 1 em Las Vegas: hotéis Mandalay Bay, Luxor, Excalibur, New York New York e MGM Grand + espetáculos do Cirque du Soleil

 

Dia 2 em Las Vegas: hotéis The Linq, Mirage, Caesars Palace, Paris, Bellagio + roda-gigante High Roller e compras no Forum Shops

 

Dia 3 em Las Vegas: parques de diversões nos hotéis Stratosphere e Circus Circus, passeio de gôndola no hotel Venetian, Madame Tussauds e espetáculo Le Rêve

 

Onde se hospedar em Las Vegas?

Park MGM Las Vegas

Durante esta viagem, ficamos hospedados no novíssimo Park MGM, que remodelou completamente o antigo hotel Monte Carlo, localizado entre o New York e o Aria. A ideia do projeto foi adequar as instalações e os serviços à nova demanda por hospedagem sofisticada que vem crescendo em Las Vegas, deixando de lado a tematização que caracteriza boa parte dos hotéis da Strip – sem abrir mão do cassino, é claro. Espaçosos, os 2.700 quartos trazem design elegante e contemporâneo e, até o fim do ano, vão ganhar reforço do hotel-butique NoMad, já famoso em Nova York, que vai se instalar nos últimos quatro andares do prédio com 293 acomodações. Também em breve devem ser inaugurados uma unidade do mercado-restaurante Eataly e um restaurante de inspiração californiana do chef Roy Choi, que vêm se juntar aos já inaugurados Primrose (que busca referências no sul da França em um agradável jardim), Bavette (steakhouse original de Chicago que esconde um bar tipo speakeasy nos fundos) e Juniper (bar de mixologia especializado em gins). Três piscinas, spa, salão de beleza, academia e uma futura casa noturna formam a área de lazer do hotel. A atração mais esperada, porém, é a programação de shows fixos de Lady Gaga no Park Theater, que também se apresentará em versões jazz & piano.

 

 

Compartilhar: