fbpx
  • Seu carrinho está vazio.
HomeDestinosAmérica do NorteNova York: atrações fora da Ilha de Manhattan

Nova York: atrações fora da Ilha de Manhattan

Nova York: atrações fora da Ilha de Manhattan

Uma volta pelos distritos de Nova York, depois de Manhattan os mais populares se tornam Brooklyn, Queens, Harlem e Staten Island

Por Thelma Lavagnoli e Cristiane Sinatura

Coney Island
Você sabia que a Viajar tem grupos gratuitos no WhatsApp e Telegram com dicas, serviços e muitas promoções de destinos no Brasil e no Mundo?
Faça parte desse grupo e comece a planejar a sua próxima viagem!

Entrar no grupo Telegram! Entrar no grupo WhatsApp!

Brooklyn

O mais populoso borough (distrito) de NY reserva boas surpresas com o mesmo nível de qualidade que Manhattan, como o Prospect Park e o Brooklyn Museum, por exemplo. Com seus cinco andares de Egito Antigo, arte africana, pintura europeia e obras contemporâneas, três regiões merecem atenção especial:

Dumbo

Em primeiro lugar, depois de atravessar a Brooklyn Bridge ou de chegar a bordo do East River Ferry, é de praxe explorar a região de Dumbo. Ali, o Brooklyn Bridge Park garante algumas das melhores vistas do Financial District. E é onde ficam o icônico carrossel Jane, de 1922, e a sorveteria Brooklyn Ice Cream Factory. Além disso, o passeio continua pelas ruas de pedra entre as pontes Brooklyn e Manhattan, tomadas por galerias de arte, livrarias, butiques, cafés e endereços como a pizzaria Grimaldi’s e a chocolateria Jacques Torres. Aos domingos, entre abril e outubro, acontece aos pés da Manhattan Bridge o Brooklyn Flea, mercado de pulgas que reúne móveis, roupas, antiguidades e artesanatos. Aliás, uma dica: a partir da Washington Street, tira-se a célebre foto da Manhattan Bridge enquadrada entre os prédios e emoldurando o Empire State ao fundo.

Brooklyn

Brooklyn (foto: shutterstock)

Williamsburg

O bairrinho pop-hipster que já faz sucesso há algum tempo é cheio de endereços bacanas. Entre eles, lojas, cafés, cervejarias e rooftop bars, especialmente entre as avenidas 6 e 11 e as ruas Bedford e Kent. Imperdível tomar um drinque na cobertura do hotel Wythe ou fazer um tour pela fábrica da Brooklyn Brewery. Aos sábados, entre abril e outubro, acontece a Smogasburg, feirinha gastronômica que reúne até cem barracas de comida de rua no East River State Park. De domingo, entretanto, ela migra para o Prospect Park, também no Brooklyn.

Williamsburg

Williamsburg (foto: shutterstock)

Coney Island

Em uma hora de metrô saindo de Manhattan, chega-se, enfim, a uma versão totalmente diferente de Nova York, feita de parques de diversão e praia. Ali, desde o século 19, a cidade ganha cara de balneário, com areia que lota no verão e endereços centenários, como por exemplo a lanchonete Nathan’s Famous Hot Dogs, o Luna Park, famoso pela montanha-russa de 1927 Cyclone, o Deno’s Park, que abriga a roda-gigante Wonder Wheel, de 1918, e o New York Aquarium, mais antigo da cidade.

Coney Island

Coney Island (foto: shutterstock)

Queens

O maior distrito de Nova York é uma mistura de estilos. Tem centrinho com cara de Williamsburg, tem muitos parques, tem museus, tem bairros étnicos… À beira do Rio East, Long Island City é uma das regiões mais em alta, com galpões industriais e áreas abandonadas em plena renovação. Um dos endereços pioneiros por aqui é o PS1, filial do MoMA voltado à arte contemporânea e experimental e famoso por sediar ótimos festivais de verão. Além disso, vale a pena bater perna pela Vernon Boulevard, que concentra restaurantes como o mexicano estrelado Casa Enrique, o bistrô francês Café Henri e o tailandês Spice. Entre as muitas áreas verdes, o Gantry Plaza State Park arranca vistas imperdíveis de Manhattan; antigo lixão, o Flushing Meadows Corona Park hoje guarda o maior lago da cidade, o Queens Museum of Art, um zoológico com ursos andinos e uma enorme escultura do globo terrestre.

Para um passeio repleto de diversidade, é curioso tomar o metrô da Linha 7, conhecido como International Express, justamente por cobrir bairros étnicos de várias nacionalidades, como italianos, irlandeses, filipinos, porto-riquenhos… A Chinatown do Queens, aliás, onde nasceu o restaurante de noodles Xi’an Famous Foods chega a ser até mais autêntica que a de Manhattan. Quem gosta de música, cultura negra e decoração retrô vai curtir o Louis Armstrong House Museum, casa do famoso cantor de jazz, que, além de contar sua história e exibir acervo pessoal, ainda tem shows no jardim durante o verão.

Queens

Bairro Queens (foto: shutterstock)

Harlem

No norte de Manhattan, este bairro-símbolo do movimento negro americano rende boas horas de passeio fora do circuito turístico. Nesse aspecto, o ponto de referência é o cruzamento entre a Martin Luther King Jr. Boulevard e a 7th Avenue, onde estão vários grafites bacanas. Vale a pena seguir pela Boulevard e conhecer também o Apollo Theater, que recebeu nomes como Ella Fitzgerald, James Brown e Stevie Wonder, por exemplo. Pelo site oficial, dá para agendar um tour pelas instalações. Destaque também para o Museum of the City of New York, em East Harlem. As exposições preservam a história da cidade em diversas frentes, como arte, moda, feminismo e mais. Colado ao Harlem fica o campus da Universidade de Columbia, que pode ser visitado por não alunos.

Halem

Halem (foto: shutterstock)

Staten Island

O distrito é famoso pelo ferry gratuito que vem de Manhattan proporcionando, sobretudo, um belo panorama da Estátua da Liberdade. Além disso, em 2019, foi inaugurado o Empire Outlet, com mais de cem lojas como H&M, Gap e Nike, além de restaurantes à beira da água e um hotel-butique com rooftop.

 

Quer fugir dos perrengues durante a viagem? Selecionar os melhores pontos turísticos com dicas de especialistas que já visitaram os destinos? Por muito menos que um cafezinho em Paris você garante uma viagem especial e inesquecível. Confira aqui!

 

Leia mais:

Nova York: o que fazer pelos principais bairros

O que fazer no Chelsea

Conheça os melhores pontos da Financial District

Os passeios mais bacanas em Midtown

Tudo em Upper East Side

Que tal transformar o seu cartão de crédito em uma verdadeira fábrica de milhas?
Se você gasta pelo menos R$ 3.000,00 por mês no cartão de crédito e não consegue emitir um bilhete por ano para os EUA com as suas milhas acumuladas, acredite, você não sabe usar o cartão de crédito a seu favor.
Quero te convidar a se tornar especialista no assunto. Aprenda a viajar de graça, entrar em salas vips ao redor do mundo sem pagar nada e fabricar milhas com o nosso time de especialistas. Chegou a hora de você virar o jogo e parar de dar dinheiro aos bancos.

Saiba como viajar de graça e sem enrolação!