HomeDestinosDe Los Angeles ao Grand Canyon de carro

De Los Angeles ao Grand Canyon de carro

De Los Angeles ao Grand Canyon de carro

Tida como uma das road trips mais famosas dos EUA, a viagem de Los Angeles ao Grand Canyon de carro reserva paisagens de deserto, cidade-fantasma, lenda de alienígenas e trechos históricos da mítica Rota 66

Deserto dos Estados Unidos

Viajar de carro pelos Estados Unidos é uma das melhores formas de conhecer e explorar o país. Afinal, com estradas impecáveis e rotas cênicas, dirigir pelas highways norte-americanas está, certamente, entre as experiências mais autênticas na região. Sendo assim, confira a seguir um roteiro para viajar de Los Angeles ao Grand Canyon de carro, passando por Las Vegas.

 

Vai alugar um carro? Veja aqui os melhores preços!

 

 

De Los Angeles ao Grand Canyon de carro

Programe-se para ficar pelo menos quatro dias em Los Angeles antes de cair na estrada. O trajeto até Las Vegas tem cerca de 430 quilômetros e é realizado em quatro horas e meia, em média. Boa parte do caminho é feito pela Interstate 15 (I-15N), importante rodovia interestadual que começa perto da fronteira com o México, em San Diego, e se prolonga até próximo ao Canadá.

 

Busque aqui seu hotel em Los Angeles

 

 

Boa parte do visual é marcada por paisagens do Deserto de Mojave, com vegetação rasteira, solo arenoso e com pedras, além de ventar forte. O nome do deserto, aliás, vem da cobra mojave, um tipo de cascavel encontrada aos montes por ali.

Estados Unidos de carro

Deserto do Mojave (foto: shutterstock)

Para curtir ainda mais o caminho, faça uma pausa na cidade-fantasma Calico, situada em Yermo, na metade do trajeto. Fundada no final do século 19 por conta da mineração, essa ghost town foi abandonada anos depois com a decadência da atividade.

A cidade-fantasma Calico

A cidade-fantasma Calico (foto: shutterstock)

 

Não vá aos Estados Unidos sem um seguro viagem. Leia aqui por que ele é importante

Aproveite e adquira seu seguro viagem aqui

 

Entretanto, em 1950 a cidade foi restaurada e o cenário típico de Velho Oeste se manteve. Está tudo lá: o saloon, a delegacia, os correios e algumas lojinhas de madeira que vendem suvenires. É preciso pagar US$ 8 para entrar (crianças a partir de 5 anos pagam US$ 5 e até do cachorro se cobra US$ 1).

 

Entrando no estado de Nevada

Além de caminhar pela rua principal, quem tiver mais tempo pode conhecer uma mina desativada e ainda entrar no museu Lucy Lane para ver objetos e documentos da época.

De volta ao carro, dirija por mais 40 minutos até Baker, já no estado de Nevada. Ali e em outras pequenas cidades ao redor, diversos restaurantes com temática alienígena divertem os visitantes. Escolha um para comer e, claro, tirar fotos ao lado de estátuas de marcianos.

Isso porque, perto dali, fica a nebulosa zona conhecida como Área 51, uma base ultrassecreta das Forças Aéreas Americanas, que acabou virando alvo de imensa curiosidade e muita boataria ao redor do aparecimento de alienígenas. Las Vegas está a uma hora de distância.

Las Vegas

O icônico letreiro de Las Vegas (foto: shutterstock)

 

Busque aqui o seu hotel em Las Vegas

 

 

De Las Vegas para o Grand Canyon

Depois de ficar pelos menos mais quatro dias em Vegas, chegou a hora de cair na estrada de novo. O ideal, então, é sair ainda de manhã para despontar no Grand Canyon no meio da tarde – ao todo são 450 quilômetros. Partindo da cidade, por fim, o viajante segue pela Interestadual 93 South (I-93S) por quase duas horas até a cidade de Kingman, em cerca de 160 quilômetros.

Essa é a primeira parada que dá o gostinho do que é viajar pela The Mother Road, como a Rota 66 é chamada. Para entender mais sobre ela, o Arizona Route 66 Museum apresenta um filme bem produzido que mostra a importância da rodovia criada na década de 1920.

Seligman Sundries

Seligman Sundries (foto: shutterstock)

Coletânea de fotos, documentos e até uma exposição de carros antigos completam o espaço. O prédio do museu é um edifício histórico que abriga também o Centro de Visitantes, onde é legal pedir o passaporte da Rota 66 – livrinho que pode ser carimbado em pontos credenciados ao longo da viagem.

Deixando Kingman, a jornada continua pela Rodovia I-40 até Seligman, 120 quilômetros à frente. Ali, placas luminosas com os números mais famosos do pedaço decoram as fachadas de postos de gasolina, lojinhas de suvenires, lanchonetes e até do motel. Por fim, parada clássica por ali é no The Historic Seligman Sundries, misto de bar com lojinha aberto em uma construção de 1904.

De volta à estrada, faltam menos de 200 quilômetros até o Grand Canyon. Se tiver vontade de ver mais uma cidadezinha temática sobre a Rota 66 , faça uma pausa em William. A partir dali, enfim, a estrada passa a ser a SR-64 que, sem atrativos, chega até a porta do parque nacional, onde uma nova aventura está prestes a começar.

Grand Canyon

Grand Canyon (foto: shutterstock)

 

Entenda a fama da Rota 66 

A mítica rota foi aberta em 1938 como parte de um plano de expansão das autoestradas americanas. No projeto original, a 66 teria cerca de 4 mil quilômetros de extensão, passando por quase 200 cidades em oito estados – indo de Chicago (Illinois) até Santa Mônica (Califórnia).

A rota foi desativada em 1985, especialmente porque muitos trechos foram engolidos pelas vias expressas em função do crescimento da malha viária dos Estados Unidos. Ainda assim, sua simbologia continuou e muitas estradas que fizeram parte da rota continuam abertas.

Parte do comércio que surgiu à beira da rodovia sobrevive hoje como sítios históricos que relembram os tempos áureos da Rota 66. Ou seja, lugares com muita história para contar.

Rota 66

Rota 66 (foto: shutterstock)

 

Conteúdo produzido pela Revista Viajar pelo Mundo em parceria com Brand USA: www.visiteosusa.com.br

 

Leia também:

Estados Unidos: 7 destinos para passar as férias

10 food tours nos Estados Unidos

Los Angeles Natural: veja onde comprar produtos orgânicos e veganos 

Compartilhar: