fbpx
  • Seu carrinho está vazio.
HomeDestinosHolambra: flores, sabor e história

Holambra: flores, sabor e história

Holambra: flores, sabor e história

No interior paulista, a cidade celebra a herança deixada pelos imigrantes holandeses, mantendo as tradições na ponta da língua. Ainda conta com canteiros floridos e perfumados o ano inteiro

Por Tarcila Ferro

Holambra
Você sabia que a Viajar tem grupos gratuitos no WhatsApp e Telegram com dicas, serviços e muitas promoções de destinos no Brasil e no Mundo?
Faça parte desse grupo e comece a planejar a sua próxima viagem!

Entrar no grupo Telegram! Entrar no grupo WhatsApp!

O orelhão é em forma de tamanco, o mirante é um moinho de vento, o ponto de ônibus, o pronto-socorro e até a farmácia seguem os traços e as cores da arquitetura colonial dos Países Baixos. Isso sem falar que há flores por todos os lados. O orgulho de ter sido colonizada pelos holandeses está expresso em cada esquina de Holambra, estância turística a 128 km da capital paulista.

A história volta para 1948, quando os primeiros imigrantes começaram a chegar ao interior de São Paulo, a partir de um acordo entre os dois países: enquanto o Brasil entrou com as terras, a Holanda ficou responsável pela mão de obra. Assim, centenas de agricultores deixaram sua pátria devastada pós-Segunda Guerra em busca de um recomeço na América.

O grupo acabou se instalando, enfim, na antiga Fazenda Ribeirão, local que marca a fundação de Holambra. Ao contrário do que parece, a ideia inicial não era plantar flores, mas criar gado. Então o cultivo de plantas veio mais tarde, somente nos anos 1960, mas acabou virando a principal atividade econômica. Hoje, Holambra responde por 40% de toda a produção de flores e plantas ornamentais do Brasil. Os números lhe renderam o título de Cidade das Flores.

Turista em Holambra

Turista em Holambra (foto: shutterstock)

 

Portal de entrada de Holambra

Portal de entrada de Holambra (foto: shutterstock)

 

Boulevard Holandês

Boulevard Holandês (foto: shutterstock)

Os campos cultivados, somados à herança ainda latente dos imigrantes, ajudam a atrair os turistas, que chegam tanto para um passeio de bate-volta como para esticar um pernoite. Separamos as principais atrações, organizadas por distância, para você curtir Holambra ao máximo!

 

Moinho Povos Unidos

Construído em 2008 para celebrar os 60 anos da chegada dos primeiros holandeses, o moinho de 38 metros de altura conta com dez andares, sendo seis abertos ao público. A obra acabou virando um dos pontos mais populares da cidade e, certamente, serve como local de partida para conhecê-la. Projetada pelo arquiteto holandês Jan Hejidra, a réplica é fiel aos primeiros moinhos de vento construídos na Europa em meados do século 18 para moer grãos.

Cada andar conta um pouco mais sobre a obra: você fica sabendo sobre a os detalhes do projeto, o tipo de madeira usado, como os grãos eram moídos, entre outras curiosidades. Por fim, o último piso é um mirante com vista privilegiada da cidade. Além disso, as placas de sinalização aparecem em três idiomas (português, holandês e inglês).

E vale o aviso: é preciso cuidado para descer os degraus, uma vez que a escada é íngreme. Junto ao monumento, ficam um pavilhão com venda de artesanato e o Portal do Moinho, que, por sua vez, rende mais algumas fotos. Alameda Maurício de Nassau, 249, moinhopovosunidos.com.br, R$ 12

Moinho Povos Unidos

Moinho Povos Unidos (foto: shutterstock)

 

Rua dos Guarda-Chuvas (900 m do moinho)

Uma intervenção artística com guarda-chuvas coloridos acabou virando um dos pontos mais instagramáveis da cidade. Afinal, as sombrinhas de diversas cores suspensas por fios dão ainda mais charme ao bulevar logo em frente, com enormes painéis que reproduzem as tradicionais casas holandesas. Ali ficam também um orelhão em forma de tamanco e canteiros floridos.

A Cervejaria Van Den Bier atende em um contêiner estiloso, enchendo não só as canecas de chope e cerveja, mas também preparando drinques como, por exemplo, o Gin Gibre, feito com gim, água tônica, limão, hortelã e gengibre. Ali funciona ainda o Amsterdam Restaurante, para quem está em busca de um bufezão com comida simples e preços razoáveis. Cervejaria Van Den Bier: Alameda Maurício de Nassau. Amsterdam Restaurante: Alameda Maurício de Nassau.

Rua dos Guarda-Chuvas

Rua dos Guarda-Chuvas (foto: shutterstock)

 

Café e Museu em Holambra

Café e Museu em Holambra (foto: Tarcila Ferro)

 

Museu Histórico de Holambra (170 m da Rua dos Guarda-Chuvas)

Pequeno, mas com um acervo eficiente, o espaço apresenta curiosidades sobre os primeiros imigrantes que chegaram ao Brasil. Há fotos, documentos e objetos da época: das malas de viagem aos utensílios de cozinha, roupas, livros e ferramentas. Na área externa, o maquinário usado pelos agricultores e a casa de pau a pique construída pelos colonos e decorada com móveis da época ajudam a entender como foi o início da vida deles aqui. Alameda Maurício de Nassau, 894, museuholambra.com.br, R$ 7

Museu Histórico de Holambra

Museu Histórico de Holambra (foto: Tarcila Ferro)

 

Deck do Amor e Lago Vitória Régia (200 m do Museu Histórico)

Nos mesmos moldes da Pont des Arts, em Paris, a ponte dos cadeados de Holambra é na verdade um deque de madeira à beira do Lago Vitória Régia. Então, é lá que os casais prendem os cadeados em cabos de aço, seguindo a crendice de que o amor amarrado ali nunca se desfaz.

Tem cadeado colorido, com fitas, com os nomes, com as iniciais… Enquanto isso, de olho no movimento, barraquinhas ao redor vendem modelos por R$ 30 (se for o seu tipo de passeio, compre um antes de ir). Por fim, um letreiro em forma de coração também empolga os casais a tirarem mais fotos juntos. Alameda Maurício de Nassau, 1.002

Deck do Amor e Lago Vitória Régia

Deck do Amor e Lago Vitória Régia (foto: shutterstock)

 

Confeitaria Zoet en Zout (600 m do Deck do Amor)

Na outra margem do Lago Vitória, a Zoet en Zout, também chamada de Confeitaria do Lago, é uma boa parada para comer doces holandeses, sentado a uma mesinha do gramado com vista para a água. Appeltaart (torta de maçã), bosvruchten vlaai (torta de frutas vermelhas) e o Oranje Bloem (feito com musse de flor de laranjeira, base crocante e chocolate branco) são algumas das sugestões. Viela Lantanas, 90.

 

Boulevard Holandês (1 km do Deck do Amor)

Pense em um centrinho supercharmoso. O Boulevard Holandês é assim. Afinal, cada casinha colorida ao estilo holandês é uma loja, um café ou restaurante. Para comer, há dois endereços de peso.

A Casa Bela chama atenção tanto por sua gostosa área aberta, que ganha sombra natural graças às árvores do jardim, como pelo cardápio com opções variadas: de picanha na chapa e camarão na crosta de gergelim a moqueca de pupunha vegana. Além disso, uma parte do menu é dedicada à gastronomia típica da Europa, trazendo pratos como, por exemplo, kassler (bisteca suína defumada e servida com purê de batatas e chucrute), mix de salsichas e o completo Hollandse Tafel, que une eisbein (joelho de porco) e kassler.

Boulevard Holandês

Boulevard Holandês (foto: shutterstock)

Quase em frente, a confeitaria e restaurante Martin Holandesa é um dos endereços mais tradicionais da cidade, aberto em 1955 pelo casal de imigrantes Martin e Diny Gerritsen. O comando da casa sempre ficou entre os membros da família, o que, certamente, ajudou a preservar a culinária dos Países Baixos em Holambra.

O cardápio é extenso, de sopa e clássicos holandeses a opções veganas. Então, aproveite a oportunidade para experimentar o Pannekoek, pão holandês que pode vir recheado com bacon e queijo gouda, entre outras combinações. Ou vá de cachorro-quente holandês, o Didam, com duas salsichas grelhadas, mix de queijos, maionese temperada e batata palha. Casa Bela: R. Dória Vasconcelos, 81. Martin Holandesa: R. Dória Vasconcelos, 144.

 

Parque Van Gogh (850 m do Boulevard Holandês)

Às margens do Lago Holandês, o parque homenageia um dos mais ilustres pintores nascidos na Holanda, Vicent Van Gogh, e celebra não apenas com o nome, mas também com réplicas de seus mais famosos quadros.

Em cavaletes de madeira, obras como Casas em Provence, Jardim com Casais, Retrato do Dr. Gachet e Os Comedores de Batatas podem ser apreciadas pelos visitantes durante uma caminhada.

Alugar bicicletas, andar de pedalinho, subir na parede de escalada e na tirolesa são outras atrações para curtir no parque. Ou seja, opções não faltam. Avenida das Tulipas, 472, entrada gratuita (atividades de lazer pagas à parte)

 

Praça dos Coqueiros (750 m do Parque Van Gogh)

É nesta praça florida que fica o letreiro Eu Amo Holambra. O nome Holambra, por sinal, é uma junção das primeiras letras das palavras Holanda, América e Brasil. Aproveite, também, para fazer uma pausa na sorveteria ao lado, Dolce Flor, e experimente os sorvetes de flores, nos sabores rosa, hibisco e violeta. Se ficar na dúvida de qual escolher, fique com a taça Dolce Flores, que traz os três juntos, acompanhado de chantilly, chocolate meio-amargo e pétalas comestíveis. Dolce Flor: R. Solidagos, 125.

Letreiro de Holambra

Letreiro de Holambra (foto: shutterstock)

 

Nossa Prainha (400 m da Praça dos Coqueiros)

Mais um lugar para escolher um banquinho e curtir o visual, caso esteja com tempo sobrando. O Lago Nossa Prainha tem um gostoso deque de madeira, trilhas para caminhadas e ponto de aluguel de bike. R. José Martins, 155

 

Expoflora

A Expoflora é a maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina, realizada no início da primavera, exatamente para dar as boas-vindas à estação. Em 2020, a 39º edição da feira foi adiada por conta da pandemia do coronavírus e agora a confirmação para 2021 segue em espera. São mais de 400 produtores vinculados a Holambra, que aproveitam os 30 dias de evento para mostrar as novidades da floricultura nacional.

Com 250 mil m² de espaço, seu parque tem áreas dedicadas à Exposição de Arranjos Florais, Mostra de Paisagismo e Decoração, carros alegóricos da Parada de Flores, chuva de pétalas, Shopping das Flores, shows de danças típicas holandesas, entre outras atrações. Gostou? Então acompanhe as atualizações sobre o evento pelo site expoflora.com.br.

Expoflora

Expoflora (foto: shutterstock)

 

Expoflora, em Holambra

Expoflora (foto Karina Cedeño)

 

Campos de flores

Conhecer os campos de cultivo de flores em Holambra é o objetivo principal de muitas pessoas que chegam à cidade. Enquanto alguns produtores abrem suas portas diretamente para os turistas, mediante uma taxa de entrada, outras fazendas só aceitam visitantes que contratem tours com as agências locais.

Em todas é possível comprar plantas. Nos últimos anos, os espaços passaram a servir também para ensaios fotográficos de gestantes, noivos e debutantes. Sendo assim, diversas empresas na cidade oferecem o serviço.

A Macena Flores e o Bloemen Park são duas opções que abrem ao público em geral. No primeiro, um moinho de vento serve como pano de fundo para as plantações de girassol, rosa, cana-da-índia, angelônia, petúnia e outras. Os balaços e arcos decorados com flores são bem concorridos pelas grávidas em suas poses.

Já no Bloemen Park há vasta variedade de flores nas estufas e também nos campos abertos, com a chance de encontrar statice lilás, crisântemos, gérberas, crista de galo, rosas (de vários tipos) e mais. É possível ver campos floridos na cidade em qualquer época do ano. Isso porque o plantio é feito por rotatividade, respeitando a época de florada de cada espécie.

Campos de flores em Holambra

Campos de flores em Holambra (foto: shutterstock)

 

Pesquise qual é a melhor época para ir 

Se deseja ver alguma flor específica, pesquise qual é a melhor época. No caso dos girassóis, o queridinho dos visitantes, julho e agosto são o período mais indicado, apesar de, nos demais meses, a flor também surgir em campos menores, mantidos apenas para os ensaios fotográficos.

Sobre as fotos, é preciso agendar com antecedência nos espaços, que costumam cobrar por hora. Entretanto, vale observar que no valor não está incluso o serviço do fotógrafo nem figurino. Macena Flores: Estrada HBR-60, lote 9, Bairro Alegre, R$ 25. Bloemen Park: Estrada HBR-155, Bairro Alegre, R$ 20. Real Receptivo: organiza city tours, visita aos campos e ensaios fotográficos, realholambra.com.br

Flores em Holambra

Flores em Holambra (foto: shutterstock)

 

Onde se hospedar em Holambra

Holambra conta com uma boa oferta hoteleira, com opções para atender diferentes perfis e bolsos. Casais em busca de conforto e acomodações modernas, por exemplo, encontram no Hotel 1948 uma ótima pedida. Construído no estilo steel frame, com todo o esqueleto de aço e revestimento de madeira e vidro, os quartos contam com camas king size (ou duas de solteiro), roupas de cama trousseau e Wi-Fi de alta velocidade. Além disso, há copa com micro-ondas e utensílios de cozinha. Não há recepção. Dessa forma, os hóspedes fazem o próprio self check-in e check-out. Diárias a partir de R$ 310 para casal, com café da manhã continental (R. Bromélias, 206). Clique aqui para ver mais fotos e o preço da diária.

A 150 metros do centro, o Holambra Garden Hotel conta com 17 apartamentos de até 35 m², simples e confortáveis, que acomodam até quatro pessoas. Diárias a partir de R$ 200 para casal, com café da manhã (R. Rota dos Imigrantes, 620). Clique aqui para ver mais fotos do hotel e o preço da diária.

Hotel 1948

Hotel 1948 (foto: divulgação)

 

Já baixou o App da Viajar pelo Mundo? Nele você encontra as últimas 24 edições da revista, além dos guias especiais. Assinaturas a partir de R$ 6,90! Baixe uma edição de graça para você conhecer! Disponível para IOS e Android. Clique aqui para baixar!

 

Leia também:

Veja como é a Expoflora, que acontece em Holambra (SP)

11 hotéis para dar uma escapada perto de São Paulo

20 pousadas econômicas perto de SP

Que tal transformar o seu cartão de crédito em uma verdadeira fábrica de milhas?
Se você gasta pelo menos R$ 3.000,00 por mês no cartão de crédito e não consegue emitir um bilhete por ano para os EUA com as suas milhas acumuladas, acredite, você não sabe usar o cartão de crédito a seu favor.
Quero te convidar a se tornar especialista no assunto. Aprenda a viajar de graça, entrar em salas vips ao redor do mundo sem pagar nada e fabricar milhas com o nosso time de especialistas. Chegou a hora de você virar o jogo e parar de dar dinheiro aos bancos.

Saiba como viajar de graça e sem enrolação!