HomeDestaquesComo visitar Inhotim, MG

Como visitar Inhotim, MG

Como visitar Inhotim, MG

É um museu a céu aberto? É uma galeria de arte? É um jardim botânico? O Instituto Inhotim, em Minas Gerais, é tudo isso junto e misturado! Confira o beabá para otimizar sua visita

Por Thelma Lavagnoli

Sede de um dos acervos de arte contemporânea mais relevantes do Brasil, o Instituto Inhotim, em Brumadinho, fica a 65 quilômetros de Belo Horizonte e abriga centenas de obras de artistas como Adriana Varejão, Cildo Meireles e Lygia Pape. Tudo isso aliado a espaços verdes e áreas de Mata Atlântica preservada, que garantiram ao complexo, ainda, a chancela de jardim botânico.

Av. Inhotim, Brumadinho, MG, inhotim.org.br. Ingresso: R$ 44. Grátis às quartas-feiras.

foto: divulgação

 

Onde ficar em Inhotim

A maior parte dos visitantes desembarca em Belo Horizonte e opta por hospedar-se lá mesmo. Já quem prefere tranquilidade vai para Brumadinho, que fica mais perto e tem boas pousadas.

 


Clique aqui e veja opções de hospedagem em Brumadinho!


 

 

Como chegar a Inhotim a partir de BH

  • De avião:

A 40 quilômetros da capital e a 95 quilômetros de Brumadinho, o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte-Confins é o mais utilizado.

  • De ônibus:

A Saritur faz o trajeto entre a rodoviária de Belo Horizonte e o estacionamento de Inhotim por R$ 38,70 a ida e R$ 35 a volta, em trajeto de duas horas. Compre com antecedência pela internet.

  • De transporte privativo:

A agência Belvitur oferece traslado de ida e volta por R$ 66, saindo do hotel Holiday Inn em BH (também para não hóspedes). Consulte dias e horários das saídas no site e reserve com antecedência.

  • De carro:

Quem quiser dirigir até o instituto pode alugar carro no próprio aeroporto ou em BH. Só fique atento, pois a rodovia tem bastante curvas e pode estar em condições ruins.

 

Como visitar Inhotim

O ideal é dar uma olhada no acervo pelo site, definir quais obras você considera imperdíveis e começar a traçar o roteiro pelo mapa on-line. Quem tem um dia, geralmente começa pelas mais distantes, como a galeria Doug Aitken (conhecida como Som da Terra), e daí vai descendo. Com mais tempo, vale ficar outro dia explorando só a parte central, nos arredores da Galeria Cildo Meireles, dos lagos e da entrada, deixando os demais dias para as partes mais afastadas. Para iOS e Android, o app oficial de Inhotim é uma mão na roda para se localizar.

O instituto também oferece duas visitas guiadas gratuitas. A panorâmica (de terça a domingo, às 11h e 14h) tem foco no acervo artístico e botânico, com abordagem histórica de Inhotim, detalhes sobre sua fundação e a aquisição das peças. Já o tour temático (às quartas, finais de semana e feriados, às 10h30) parte de um assunto específico que muda a cada dois meses. Para participar, basta inscrever-se na recepção meia hora antes do início da visita, que sai ali da entrada mesmo.

Desvio para o Vermelho | foto: shutterstock

 

Como se locomover em Inhotim

Como a área é enorme, o parque disponibiliza carrinhos elétricos por R$ 28 o dia, que operam rotas definidas e pegam passageiros em pontos espalhados pelo parque. Há ainda a versão exclusiva do serviço: um carrinho com motorista, que custa R$ 500 o dia ou R$ 200 a hora. Na área central, vale dizer, esse transporte é dispensável – utilize-o se for conhecer as atrações mais distantes.

foto: divulgação

O que levar em Inhotim?

Além de repelente, protetor solar, óculos escuros e roupas confortáveis, leve roupa de banho: existem obras interativas, como a piscina de Jorge Macchi, onde os visitantes podem, sim, nadar.

foto: divulgação

Onde comer em Inhotim

Existem cinco pontos fixos de alimentação dentro do instituto: o Café das Flores (prove o pão de queijo ou o baião de dois no almoço de fim de semana), o Café do Teatro, a Hamburgueria, o Oiticica (bufê por quilo) e o Tamboril (bufê à vontade). Em épocas de maior movimento (como julho, janeiro e feriados), abrem também o Igrejinha (de massas), o Fonte (pizzas) e o True Rouge (com comidinhas como fruta e chips).

 

Fique de olho!

Febre amarela: por conta do surto da doença no país, Inhotim solicita que o visitante apresente o comprovante de vacinação. Só entra quem tiver sido vacinado, no mínimo, dez dias antes da visita.
Obras fechadas: as galerias Matthew Barney, Marilá Dardot e Fonte estão em manutenção e não há previsão da data de reabertura. Confira as obras fechadas em bit.ly/vpm-inhotim.

 

Leia também:

Inhotim: a Disneylândia das artes

Compartilhar: